domingo, 21 de novembro de 2010

Auguste Comte e a Psicologia

     Comte, cujo nome completo era Isidore Auguste Marie François Xavier Comte, nasceu em 19 de janeiro de 1798, em Montpellier, e faleceu em cinco de setembro de 1857, em Paris. Filósofo e auto-proclamado líder religioso, deu à ciência da Sociologia seu nome e estabeleceu a nova disciplina em uma forma sistemática. Foi aluno da célebre École Polytechnique, uma escola em Paris fundada em 1794, onde se ensinava a ciência e os pensamentos mais avançados da época. De família pobre, sustentou seus estudos com o ensino ocasional da matemática e oportunidades no jornalismo. No período de 1817, foi secretário do Conde Henri de Saint Simon, expoente do socialismo utópico.
      Mas em 1824 rompeu com Saint-Simon ao discordar das idéias deste sobre as relações entre a ciência e a reorganização da sociedade.
Em fevereiro 1825 Comte se casou com Caroline Massin, proprietária de uma pequena livraria, ele a achava forte e inteligente, mas depois a taxou de ambiciosa e desprovida de afetividade.
Depois de se afastar de Saint Simon, a principal preocupação de Comte tornou-se a elaboração de sua filosofia positiva, ele definia o positivismo em uma doutrina filosófica, sociológica e política.
 Decidiu então oferecer um curso particular que os interessados subscreveriam adiantado, e onde divulgaria seu conhecimento positivo. O curso abriu em abril de 1826, Comte deu apenas três aulas e foi obrigado a interromper o curso devido a um colapso nervoso desencadeado supostamente por “problemas conjugais”, seu mal foi diagnosticado como “mania” no hospital do famoso Dr. Esquirol, autor de um tratado sobre a doença, e ele próprio submeteu Comte a um tratamento com banhos de água fria e sangrias.
     Comte se recuperou e durante os anos 1830-1842, quando escreveu sua obra prima, Cours de philosophie positive, período de concentração intensa de onde saiu o alicerce fundamental da obra comtiana, que de um lado, procede a uma classificação das ciências, por ordem de complexidade, de outro, formula a Lei dos Três estados ( Teológico, Metafísico e Positivo ), que caracterizam períodos da história humana. Comte foi incomodado não somente por dificuldades financeiras e as frustradas tentativas de emprego acadêmico, mas também sofreu críticas do mundo científico por parte de importantes figuras que o ridicularizavam pela sua pretensão de submeter ao seu sistema todas as ciências. A mágoa agravou seu estado psicológico. Por razões “de higiene cerebral”, foi quando ele decidiu-se em 1838, a não ler mais uma linha de qualquer trabalho científico, limitando-se à leitura de ficção e poesia. Em seus últimos anos o único livro que haveria de ler repetidamente seria “Imitação de Cristo”. Sua vida matrimonial, que sempre fora tempestuosa, também se desfez. Comte teve várias separações de Caroline, que não suportava os seus fracassos e terminou por deixá-lo definitivamente em 1842. Contudo apesar de todas estas adversidades, Comte começou lentamente a adquirir admiradores como o pensador inglês John Stuart Mill, que foi citado em seu System of Logic 1843, como um dos principais pensadores europeus.
     Em 1844 conheceu Clotilde de Vaux, por quem se apaixonou, ela era uma mulher de trinta anos abandonada pelo marido, um funcionário público do baixo escalão, que havia fugido do país depois de se apropriar de fundos do governo. Porém, um desdobramento inusitado, Clotilde estava impedida pela lei de casar-se, pois seu marido era um foragido.
     Auguste Comte então acabará de concluir seu monumental Cours de philosophie positive, e se preparava para escrever o que pretendia que seria sua principal obra, o Système de politique positive, da qual ele considerava o Cours de philosophie como apenas uma introdução.
 Em 1846, Clotilde adoece com tuberculose e vem a falecer.
     Entre 1851 e 1854 Comte redigiu o Sistema de política positiva, no qual expôs algumas das principais consequências de sua concepção de mundo não-teológica e não-metafisica, propondo uma interpretação pura e plenamente humana para a sociedade e sugerindo soluções para os problemas sociais; no volume final da obra apresentou as instituições principais de sua Religião da Humanidade.
     Em 1852 Comte instituiu uma sétima ciência, a Moral, cujo âmbito de pesquisa é a constituição psicológica do indivíduo e suas interações sociais.
     Pode-se dizer que o conhecimento positivo busca
ver para prever, a fim de prover - ou seja: conhecer a realidade para saber o que acontecerá a partir de nossas ações, para que o ser humano possa melhorar sua realidade. Dessa forma, a previsão científica caracteriza o pensamento positivo. Para Comte o objeto da psicologia pode ser repartido sem prejuízo entre a biologia e a sociologia.
     Em 1856 publicou o primeiro volume de Síntese Subjetiva, projetada para abarcar quatro volumes, cada um a tratar de questões específicas das sociedades humanas: lógica, indústria, pedagogia, psicologia. Não pôde concluir a obra ao falecer, possivelmente de câncer, em 5 de setembro de 1857, em Paris.
   Sua última casa, na Rua Monsieur-le-Prince, n. 10, foi posteriormente adquirida por positivistas e transformada no museu casa de Augusto Comte, cujo mesmo ficou conhecido até então como Pai do Positivismo.
.Autora: Samara (1o período)
Blibliografia:
Data:   8/8/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário